O boxe ou pugilismo é um esporte de combate, no qual os lutadores usam apenas os punhos, tanto para a defesa, quanto para o ataque.

A prática do pugilato na Grécia Antiga, remete ao século VIII a.C.. As únicas regras estabelecidas eram que, apenas se poderia atacar com os punhos e os concorrentes deveriam envolver os dedos com tiras de couro. Não existiam assaltos nem categorias baseadas no peso dos atletas. O jogo terminava quando um dos atletas ficava inconsciente ou colocava um dedo no ar em sinal de desistência.

No início do século XX, o boxe era praticamente desconhecido no Brasil. Os poucos praticantes existentes na época, eram emigrantes alemães e italianos, localizados nos estados do Rio Grande do Sul e São Paulo.

A primeira luta realizada no Brasil foi em 1913, na cidade de São Paulo, entre um pequeno ex-boxeador profissional que fazia parte de uma companhia de ópera francesa e o atleta Luis Sucupira, conhecido como o Apolo Brasileiro, em razão de seu físico avantajado. Embora surrado, Apolo reconheceu que a técnica pode superar a força e tornou-se um grande entusiasta do boxe e seu primeiro grande divulgador.

Os pugilistas são divididos em categorias, de acordo com seus pesos. Atualmente existem dezessete categorias reconhecidas no boxe profissional e onze no boxe amador.

A Marinha do Brasil trouxe o boxe para o nosso país, através dos Marinheiros que aprenderam a modalidade em portos europeus. A partir de então introduziram a prática do esporte dos punhos nos quartéis da Marinha, redundando em apresentações feitas pelos marinheiros na Praça Mauá – RJ, onde o boxe passou a ser conhecido no Brasil.

Os historiadores do esporte chamam essa etapa, de período da real divulgação  do boxe no Brasil. Com o advento dos Jogos Mundiais Militares – JMM em 2011, em 2009 a Marinha do Brasil – MB, começou a montagem de uma equipe de alto rendimento para representar o Brasil na competição.

Através da realização  de  editais para contratação de atletas e um técnico de alto rendimento,  estes foram selecionados e incorporados e se iniciou toda uma preparação visando os JMM2011. Em outubro de 2010, foi o primeiro grande desafio da equipe, pois, pela primeira vez o Brasil disputaria um Mundial Militar de Boxe, o 53° Campeonato Mundial Militar, na Carolina do Norte, onde o Brasil surpreendeu, conquistando 5 medalhas , 2 de ouro, 2 de prata e 1 de bronze, ficando em 2°  lugar por equipes a frente dos EUA, perdendo apenas para o Cazaquistão grande potência da modalidade. Em 2011 o grande feito foi a conquista do campeonato por equipes dos Jogos Mundiais Militares, já em 2014 manteve o pódio com o 3° lugar por equipes no Cazaquistão, configurando-se como TOP 3 no âmbito militar.

Com o apoio a modalidade de boxe do Programa Olímpico da Marinha do Brasil – PROLIM, que disponibiliza para a equipe a estrutura do CEFAN para treinamentos, hospedagem e alimentação, apoiado por uma equipe técnica de alto nível e realização de intercâmbios de preparação, rapidamente, apareceram também os primeiros grandes resultados do boxe brasileiro nas competições Civis. Como podemos constatar nas conquistas das medalhas inéditas em Mundiais civis da AIBA, tais como, com o sargento Everton Lopes, ganhando uma medalha de ouro em 2011 e uma medalha de bronze em 2013, e o sargento Robson Conceição, que ganhou duas medalhas, uma de prata em 2013 e uma de bronze em 2015. Destaca-se ainda a medalha de ouro olímpica inédita para o Brasil, conquistada por este militar durante as Olímpiadas do Rio2016.
Ressaltamos que ambos os militares fizeram parte do PROLIM desde 2009.

Com efeito, o CT de treinamento de Boxe da Marinha do Brasil, bem como toda sua equipe técnica e atlética, conquistaram o prestigio e reconhecimento internacional, como se evidencia pelo crescente interesse de intercâmbios de treinamento por parte de seleções olímpicas de países de relevante projeção na modalidade, tais como, Itália, Suécia e Cuba, sendo que a seleção deste último  realizou todo o período de apronto de sua equipe de boxe para as olímpiadas do RIO2016 em conjunto com a equipe da Marinha do Brasil no CEFAN.

Contribuição da equipe militar de boxe da Marinha em competições civis e militares.

Pontuamos, a seguir, alguns dos resultados obtidos:

2010 – Campeonato Mundial Militar  – Boxe Masculino
2  medalhas de ouro
2  medalhas de prata
1  medalha de bronze

2011 – Jogos Mundiais Militares – Boxe Masculino
4  medalhas de ouro
2  medalhas de bronze

Campeonato Mundial da Associação Internacional de Boxe Amador – Boxe Masculino
4  medalhas de ouro

2012 – Jogos Olímpicos de Londres – Boxe Masculino
5 atletas militares da Marinha do Brasil participantes

2013 – Campeonato Mundial da Associação Internacional de Boxe Amador – Boxe Masculino
1  medalha de prata
1  medalha de bronze

2014 – Campeonato Mundial Militar – Boxe Masculino
2  medalhas de prata
1  medalha de bronze

2015 – Jogos Mundiais Militares – Boxe Masculino
1  medalha de prata
1  medalha de bronze

Campeonato Mundial da Associação Mundial de Boxe Amador – Boxe Masculino
1  medalha de bronze

2016 – Jogos Olímpicos RIO 2016 – Boxe Masculino

5  atletas militares da Marinha do Brasil participantes

1  medalha de ouro

Open chat